Guia do Campeonato Candango 2021 Correio Braziliense

Credito :arquivo pessoal – Márcio Coutinho, oDIFERENTE DE TUDO QUE VOCÊ JÁ VIU…
Repetindo tradição de abrigar times do Entorno do Distrito Federal e jogadores com rodagem nacional, torneio local promete emoção com disputa de “vida ou morte” desde o início. Respeitável público: com vocês, o Guia do Candangão 2021 do Correio Braziliense
Por Danilo Queiroz
Peculiar, curioso, emocionante… Você pode denominá-lo como for, mas, certamente, o Campeonato Candango é inconfundível por ter características únicas, principalmente, quando comparado a outros estaduais ao redor do Brasil. Novamente com viés democrático, o torneio local abre as portas para veteranos, jovens e a tradicional mescla do futebol local com o do Entorno. Em 2021, a competição segue agregando a rivalidade dos times dos vizinhos Goiás e Minas Gerais com os clubes do Distrito Federal.
A bola rola nos gramados da capital federal a partir deste sábado (20/2). Assim como na última edição, caberá à TV Brasília, emissora do Grupo Diários Associados, levar ao público, ao vivo, a emoção do Candangão. A transmissão das partidas ocorrerá nas tardes de sábado na primeira fase do torneio e na disputa dos dois quadrangulares previstos no regulamento. A final única, ema 15 de maio, também irá ao ar. Devido à pandemia da covid-19, ainda não é permitido o acesso de público aos estádios.
Neste ano, o Candangão será disputado no mais puro esquema de “ou vai, ou racha”. Com mudança de regulamento, o principal torneio de clubes da capital federal promete bastante emoção aos torcedores nas rodadas iniciais. Na primeira fase, os 12 participantes estão divididos em dois grupos e não terão, sequer, o direito de errar. Isso porque os quatro melhores de cada chave seguirão vivos na disputa do título depois dos seis primeiros jogos, enquanto os dois últimos sofrerão o rebaixamento para a segunda divisão.
A mudança no número de rebaixados foi formulada para desinchar o torneio local, reduzindo o número atual de integrantes. Em 2022, serão 10. Antes dessa decisão, porém, Brasiliense, Capital, Formosa, Luziânia, Real Brasília, Samambaia, Santa Maria, Sobradinho, Taguatinga e Unaí tentarão desbancar o Gama, atual campeão candango e dono das duas últimas taças do torneio local (2019 e 2020). O alviverde buscará o segundo tricampeonato consecutivo de sua história.
Mais uma vez, fatos inesperados deram o ar da graça antes mesmo de o Cangangão começar. O Formosa precisou correr atrás de um novo treinador após o antigo deixar o clube antes mesmo da apresentação para assumir o Minas Brasília. Recém-promovido, o Santa Maria viu a saída do principal apoiador, que migrou para o Luziânia com parte do elenco vice-campeão da segundinha. Campeão da divisão de acesso, o Samambaia apresentou o elenco somente na última semana de preparação. O mesmo aconteceu com o tradicional Sobradinho.
Afetadas pela pandemia do novo coronavírus, as equipes começaram os preparativos de pré-temporada em janeiro. Porém, teve time que nem sequer parou, como no caso do Brasiliense. O clube amarelo vem com jogos em sequência desde agosto, devido às disputas da Série D do Campeonato Brasileiro e da Copa Verde. Mesmo eliminado precocemente da competição nacional e da regional, o Gama também teve a oportunidade de testar seu novo elenco, reformulado após uma crise financeira, em jogos oficiais.
Marca registrada do Candangão, os veteranos com rodagem por vários grandes times do Brasil seguirão tendo espaço cativo nas equipes participantes. O Brasiliense será, novamente, o clube com mais apostas de grande calibre. O artilheiro Zé Love, 33 anos, autor de 22 gols com a camisa amarela na última temporada, é a estrela maior do time que terá, ainda, o volante Radamés, 34, e o meia Carlos Eduardo, 33. No Luziânia, o atacante Jobson, 32, e o meia Ramon, 32, agregam experiência ao grupo.
Porém, mesmo com a presença dos mais velhos, as promessas do futebol candango seguem tendo espaço no principal torneio do Distrito Federal. Elenco mais jovem do torneio, o Unaí tem boa parte do elenco abaixo dos 30 anos. No Ceilândia, a promessa Vitor Mariano, 20, tenta desabrochar. Representante local na última Copa São Paulo de Futebol Júnior, o Real Brasília promoveu atletas com destaque na competição para o time principal, como o garoto Vinícius Índio, 19. O Gama também terá revelações no elenco.
Mesmo repetindo as características que o tornaram único, o Candangão 2021 será, definitivamente, diferente de todos os outros. Para conhecer melhor os 12 postulantes ao principal título do futebol candango, basta clicar nos escudos ou ir deslizando a página.
Boa leitura e divirta-se!

Entrevista/Márcio Coutinho
Um bate-papo com o diretor de competições da Federação de Futebol do Distrito Federal (FFDF) sobre o Campeonato Candango 2021
(Foto: Arquivo Pessoal)Qual é a expectativa para o Campeonato Candango de 2021?
A expectativa é boa. Vamos ter um campeonato que vai rebaixar quatro equipes. Então a disputa de quem vai lutar pelo título e de quem vai cair será em um nível alto. É o que esperamos. Para isso, tenho acompanhando alguns times e vejo que há uma boa perspectiva técnica para as partidas. Temos treinadores de ponta, Vilson Tadei, Rafael Toledo, Adelson de Almeida, Victor Santana e tantos outros. Vejo bons times e vai ser um Candangão muito bem disputado. São quatro fases decisivas e cada uma delas será um upgrade e um incentivo para quem assiste ao futebol.
Quais as dificuldades impostas pela pandemia de covid-19 para a realização do torneio?
Com a pandemia, a gente não tem como arrecadar nada. Foi feita uma assembleia e os clubes decidiram por diminuir o número de clubes na primeira divisão. Tínhamos que diminuir o número de jogos. O próprio Correio Braziliense fez uma matéria mostrando a economia (clique para ler). Eram 80 jogos e agora serão 61. Pagamos arbitragem, ambulância e uma série de coisas que não temos de onde arrecadar. Quando o Daniel Vasconcelos entrou na presidência da FFDF tínhamos débitos com arbitragem e ambulância e não há mais isso. Estamos tocando essa parte tranquilamente.
A FFDF recebeu algum aporte financeiro do Banco de Brasília (BRB) para a temporada 2021?
O Banco de Brasília (BRB) faz os contatos diretamente com os clubes para que eles apresentem a documentação. Quem tem tudo em dia consegue o patrocínio. Acredito que eles poderiam mudar a forma como fazem com os clubes do DF. Podia ser um patrocínio de publicidade, que difere do modelo atual. Essa seria a minha sugestão. O próprio governo poderia dar a oportunidade dos clubes sanarem os problemas por meio do BRB.
Em outras temporadas, o Distrito Federal enfrentou problemas na liberação dos estádios. O processo neste ano foi mais simples pela ausência de público provocada pela pandemia?
Ficou mais fácil de liberar. A FFDF montou a comissão de vistoria. Eu, por ser um oficial da PM, faço esse processo com mais conhecimento de causa. Em termos estruturais de estádio, as coisas estão quase zeradas por não ter público, pois não está tendo dano nos espaços. A própria fiscalização do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) é importante para que o nosso futebol cresça. Ficamos muito satisfeitos com esse tipo de acompanhamento. É importante para a nossa segurança. Porém, existe muita burocracia para uso dos estádios. São muitos documentos. Para usar, eles pedem ao clube Certidão de Fundo de Garantia. Existe uma outra forma de cobrar os clubes sem esse excesso de exigências. Ainda tem que tirar licença de eventos. Poderia desvincular e criar uma outra forma de licenciar como se fosse um show. Às vezes, se torna inviável, ainda mais em período de pandemia. Temos um prazo de 30 dias, mas, às vezes, um clube joga na quarta e depois no domingo. Foge do prazo. Quem cobra está dentro da lei, mas precisamos sentar e criar mecanismos para desburocratizar a documentação que existe hoje no futebol.
Estamos atravessando uma pandemia e, mesmo com os cuidados da FFDF, ainda existe o risco de lockdown no Distrito Federal e no Entorno dependendo do avanço da doença. A FFDF tem algum planejamento se isso ocorrer?
Se acontecer no Entorno, teremos que trazer os jogos para o Distrito Federal. Da mesma forma, de repente, tendo aqui, nós levaremos para lá. Seria um problema muito grande. Financeiro, inclusive. Os clubes teriam que pagar sem o jogador estar disputando a competição. É um prejuízo grande. Esperamos que isso não aconteça. Temos feito tudo que nos foi pedido e determinado. Fomos uma das primeiras federações locais a cumprir os protocolos. Os clubes têm feito nos centros de treinamento. Queremos ter um campeonato como foi após a autorização do decreto.
A grande novidade de 2020 foi a transmissão de mais jogos a partir do acerto com a TV Brasília. Como vocês avaliam os resultados da parceria e quais são as perspectivas para esse ano?
A mídia é importante para captar, principalmente, os patrocinadores que querem esse tipo de visibilidade. É importante a TV Brasília e a imprensa, como um todo, estar no contexto do Candangão. Todos ganham. Eu tenho valorizado muito a TV Brasília, as rádios, a internet, que é o boom maior desse processo dos torcedores estarem acompanhando de casa. Estamos criando também a FFDF TV, que transmitirá um jogo por rodada.
Brasiliense
Sem descanso pela taça
Com sequência intensa desde agosto de 2020, Brasiliense aposta no entrosamento e ritmo de jogo do elenco para chegar ao 11º título
Zé Love e Badhuga seguem no elenco do Jacaré (Foto: Alan Rones Fotografia)Curiosamente, a confusão no calendário brasileiro provocada pela pandemia do novo coronavírus pode fazer bem ao Brasilense. Jogando de forma constante desde agosto de 2020 com a disputa da reta final do último Campeonato Candango, da Série D do Campeonato Brasileiro e da Copa Verde, o Jacaré não passou por uma grande reformulação do elenco e manteve entrosamento entre as principais peças do elenco. Do grupo atual, 10 iniciaram a última temporada no time. Os demais tiveram tempo suficiente para se incorporar ao elenco amarelo.
As boas apresentações na Copa Verde também deixaram o torcedor amarelo com uma expectativa acima da média dos últimos anos na busca pelo 11º título candango. No torneio regional, o time do técnico Vilson Tadei ganhou quatro partidas contra Vitória-ES, Luverdense-MT, Atlético-GO (duas vezes) e Vila Nova-GO. Numa prova de força, o Jacaré eliminou o tradicional clube goiano nos pênaltis nas semifinais da Copa Verde e decidirá o título contra o Remo-PA. Consequentemente, alguns jogos do Candangão serão adiados.

BRASILIENSE FUTEBOL CLUBE
Fundação: 1/8/2000
Mascote: Jacaré
Títulos no Candangão: 9 (2004, 2005, 2006, 2007, 2008, 2009, 2011, 2013 e 2017)
Estádio: Serejão
Capacidade: 27 mil pessoas
Na rede
Site: www.brasiliensefc.com.br
Twitter: @BrasilienseFC
Instagram: @BrasilienseFC
Facebook: Brasiliense Futebol Clube

Careca, diretor de competições da Federação de Futebol do Distrito Federa

Foi criado em fevereiro de 2016, este site e aberto nesta data É produto para divulgação do esporte local e Brasileiro e mundial, Estamos orgulhoso de ter você como visualizador, desta pagina obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *